Roberto

E então, Celina entrou voando pela janela e rodou três vezes desesperadas o lustre. Olhei-a opaco como as minhas faltas que faziam origami na alma. Adelaide me gritou 'mata essa borboleta bruxa'! E protegi-a em com um copo de vidro...

Em seguida a comi porque essas coisas devem estar onde devem estar...

1 comentários:

Kamikaze Kiwi disse...

Já disse q vc é incrivel Salieri????
Sim... Eu disse!!!
Vc me salva muitas vezes com seus versos cruéis! (sou aquela tua cinderela sem remissão!)

E tua prosa me espanta positivamente... Saudades demais!!!
Tua verve me abraça mais que as nuvens numa boa manhã de inferno...



Cara, ainda bem q vc existe...
Um abraço de saudade da Lauana.

 
Layout feito por Adália Sá | Não retire os créditos